A última palavra do “Chino”

Três anos. Quem diria que poderiam passar tão rápido?

Aproveito esse espaço pra contar um pouco do que vi nesses três anos. Não fui ao primeiro dia de aula, o aluno perdido achou que as aulas só começariam na outra semana. No dia seguinte, portões fechados, o marido da ex-diretora Sônia Valliengo havia morrido. Só no terceiro dia consegui assistir a primeira aula, e que por algum acaso, era de artes. Não gostava muito da matéria, mas aquele desenho coletivo, que guardo até hoje, faz muito sentido e mostrou que as pessoas que iria conhecer eram diferentes.

O primeiro com quem conversei da sala foi o Marcelo, e foi por causa dele que ganhei o apelido de Chino, meus olhos, que estavam irritados fizeram eu parecer um chinês mesmo. Cada aula era motivo pra escrever uma história, como não tinha tempo, comecei a escrever uma agenda, que na época era apenas uma postagem no famoso Tópico dos Burros da comunidade do 1ºC no Orkut.

As gincanas, as brigas na sala, as aulas de educação física em que nem todos ficavam na quadra, mas sim sentados nos bancos do pátio conversando, os interclasses perdidos (principalmente o que perdemos pro lixo), as várias brigas em que a sala parecia um campo de batalha entre URSS e EUA. Os trabalhos em que cada grupo se caracterizava, ficava descalço, oferecia cocadas… As fotos, de todos os jeitos e em todos os lugares da escola. As reuniões do TCC, as discussões com os professores, as provas (individual, em dupla ou coletiva). Em 2012, quando passei a ser o representante da sala, e tive que encarar algumas bombas, recolher bilhetes, entregar boletins, e, querendo ou não, passar alguns minutos na sala do Serviço de Orientação Educacional. Todos esses momentos, de alguma forma estão sendo contados não só nesse post, mas sim em todos os posts desse blog, que foi a maneira mais fácil de falar e ajudar a sala.

No fim de semana antes da apresentação, passei o dia e a madrugada montando o vídeo vida do 3ºC. Quando terminei o vídeo, ainda sem a parte dos depoimentos, as lágrimas começaram a correr, lágrimas que não eram de tristeza, mas sim de felicidade. Felicidade por ter conhecido esses mais de quarenta doidos que fizeram parte do melhor momento de minha vida.

Acima de tudo, vou sentir falta de uma coisa: ser chamado não de Marcus, mas sim de Chino.

Obrigado 3ºC!

Última foto do 3ºC, reunidos na escadaria da fachada do Rubens. (Foto: Karen Sasaki)

Última foto do 3ºC, reunidos na escadaria da fachada do Rubens. (Foto: Karen Sasaki)

Por dentro do TCC #10: Acabou!

Uma história de três anos acabou hoje, o #TCC3C2012 foi apresentado e a emoção falou mais alto para alunos e professores.

O Hino Nacional deu início ao nosso trabalho, a cerimônia formal tornou-se mais dinâmica, com a apresentação de gráficos e imagens e a alternância entre os apresentadores. Como você viu no sábado, 7 apresentadores e 2 oradores revesaram no palco do salão nobre e encantaram a banca avaliadora.

A banca contou com a presença das professores Cíntia Cotrim, Guaraci Trani, Lúcia Campolim (Coordenadora Pedagógica), Márcio Silvestro e Wanir Betanho (Orientadora do TCC).

Outros professores também compareceram para prestigiar a apresentação, o salão nobre lotou para assistir não só a apresentação, mas também todo o evento de comemoração do término de uma etapa importante na vida de todos do 3ºC.

Matheus Eleutério fez as considerações finais do Trabalho, abrindo assim a palavra para os professores da banca, que fizeram questão de apontar todos os pontos positivos e negativos da apresentação. Guaraci Trani apontou alguns pequenos erros na oralidade, enquanto Wanir Betanho apontou alguns deslizes na postura do público.

Alexandre Gibim levantou questões importantes sobre um dos principais assuntos da nossa apresentação, a possibilidade de o Cristianismo e o Islamismo tornarem-se uma só Religião. Márcio Silvestro apontou e elogiou a participação de todos nos trabalhos e a habilidade de alguns na administração de conflitos que aconteceu na sala durante o desenvolvimento do trabalho.Cíntia Cotrim parabenizou a sala pela escolha do tema e exaltou a questão da convivência entre os seguidores do Cristianismo e do Islamismo.

Encerradas as avaliações da Banca, iniciou-se o rito de despedida, sendo uma das Oradoras da sala, Giovana Dordetti apontou com palavras o sentimento de todos do 3ºC, e abriu caminho para o início da homenagem aos alunos.

Continuar lendo

Por dentro do TCC #09: Contagem Regressiva

Segunda, 10h, começa a última missão do 3ºC, o TCC, veja aqui os últimos preparativos, as discussões, e as decisões.

Depois de 3 anos, essa é possivelmente a última vez em que todos os alunos do 3ºC se encontrarão, e também a mais importante. Segunda defenderemos a monografia de nosso trabalho. A qual, diferente do significado da palavra monografia, foi escrito por várias mãos. O Salão Nobre, com capacidade para 300 pessoas sentadas, terá a presença dos alunos do 1ºC e 2ºC, que assistirão por iniciativa da Coordenação do Ensino Médio, que faz com que os alunos tenham o primeiro contato com toda a dinâmica do TCC.

Revisar é preciso: Ontem foi dia de fazer a revisão final do trabalho, todos com o TCC aberto na tela dos computadores do Laboratório de Informática, lendo, apontando o mais importante e que deve constar na apresentação. Entre o pessoal, nove estão com a missão de representar a classe: Bruno Bilbao, Giovanni Bruno, Luana Domingues, Marcus Oliveira, Matheus Eleutério, Rafael William e Thailaine Baptista, além de Érica Rocha e Giovana Dordeti que serão as oradoras do TCC. Amanda Morii está com a missão de organizar a ordem de apresentação e os slides. Ela e Mauro Felipe também trabalham na parte de impressão da Monografia e do Poster, um elemento essencial na avaliação do trabalho.

Hora do Choro: O vídeo-vida está sendo montado por Giovana Dordeti e Marcus Oliveira e vai mostrar momentos da nossa sala que não estão aqui no Blog, mas sim nas inúmeras fotos espalhadas pelos perfis dos alunos do 3ºC. Giovana teve a missão de selecionar as melhores fotos, Marcus cuidou da edição de áudio e vídeo do trabalho, encaixando e sincronizando cada música da trilha sonora. A única coisa que dá pra adiantar é o título do filme: “Três anos, uma história”.

Quem é a banca? Dois já estão confirmados, Wanir Betanho, nossa professora orientadora e Alexandre Gibim, professor de Educação Física, que é o cérebro por trás da gincana. Fora isso, mais dois professores participam, um deles é convidado por nós, mas não podemos revelar quem é.

Microfone, Datashow, Mesa de Som…Os detalhes finais ficam por conta da equipe técnica do Rubens, representada por Gilson e Júnior, que cuidam dos equipamentos para que nada saia errado.

Agora é fazer a contagem regressiva, o 3ºC está concluindo a sua história. Segunda a tarde você assiste aqui no grupo o Vídeo Vida, e vê os melhores momentos da apresentação.

Interclasses 2012: 3ºC faz dois jogos e segue na disputa

A sala que até duas semanas atrás não estava participando do torneio volta a disputa e consegue um bom resultado no segundo jogo, prosseguindo na disputa.

O 3ºC que por causa da correria do TCC entre outras coisas não estava participando do Torneio Interclasses 2012 de Futsal, que havia começado em Outubro, agora volta a disputa, no Grupo 4, que tem também o 2ºMEMI, 1ºA, 1ºB e 1ºC. Dois dos quatro jogos do 3ºC já aconteceram, veja com mais detalhes abaixo.

2ºMEMI 3 x 1 3ºC – Quarta 21/11

O MEMI conseguiu encontrar as falhas na defesa do nosso time, que não estava muito aquecido e preparado para a partida, o esforço dos jogadores e o estímulo da galera da sala não foi suficiente para evitar a derrota. Vinicius, com a ajuda de Rafael N., abriu o placar para o 3ºC, mas 3 gols, sendo que dois com falhas da defesa e do goleiro Matheus, abriram espaço para discussão e violência de ambas as partes, sendo que Rafael N. e Rafael W. do 3ºC e Vitor (MEMI) saíram da partida após uma briga decretando fim de jogo.

3ºC 2 x 1 1ºA – Sexta 23/11

Mais preparado fisco e emocionalmente, o 3ºC fez alterações importantes, como a entrada de Jorge na zaga, e a troca de goleiros na partida influenciaram no resultado, mesmo com um bom time, o 1ºA teve dificuldades, o pequeno, mas importante Eric fez o seu melhor e servia os passes nas tentativas do adversário. O 3ºC abriu, como no primeiro jogo, o placar, com Rafael N., dessa vez na retomada de bola. Um recuo errado, que encobriu a visão de Matheus fez com que o empate fosse cedido, provocando sua substituição por Mauro. O jogo depois desse lance ficou mais tenso, com várias tentativas de desempate por parte do 1ºA, que foram impedidas pela defesa, o gol da vitória da nossa sala saiu dos pés de Rafael W. faltando dois minutos para o término do jogo.

As mudanças:Matheus fica na reserva para o próximo jogo, Mauro assume o gol. Léo chega de viagem para entrar na zaga, provavelmente no lugar de Jorge. A provável escalação titular é Mauro (Gol), César e Jefferson (Defesa), Rafael N. e Léo (Zaga). Os reservas serão Matheus (G), Marcus e Vinícius (D), Jorge e Rafael W. (Z).

Terça (27) o 3ºC enfrenta o 1ºB, na Quinta (29) o 1ºC. A classificação do nosso time para as Quartas de Final depende de vitória nos dois próximos jogos. Os resultados você acompanha aqui, no Blog do 3ºC.

SARESP 2012 – 27 e 28 de novembro

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo – SEE/SP – realizará nos dias 27 e 28 de novembro de 2012, a décima quinta edição do Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo – SARESP, com a participação de todas as escolas da rede pública estadual que oferecem ensino regular e de todos os alunos do 3º, 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e da 3ª série do Ensino Médio. Em cada edição, por meio de aplicação de provas cognitivas e questionários respondidos pelos pais, alunos, professores e gestores do ensino, o SARESP avalia o sistema de ensino paulista para monitorar as políticas públicas de educação.

(Fonte: Secretaria da Educação/SP e FDE)

Mas afinal de contas o que é isso?

É uma prova que avalia os conhecimentos dos alunos dos Ensinos Fundamental e Médio das escolas públicas do Estado de São Paulo, ou seja, as EE (Escolas Estaduais) e as ETECs. Além disso, algumas escolas municipais e até particulares, caso manifestem interesse, podem participar. São dois dias de prova em que os alunos responderão um certo número de questões (ainda não divulgado), 10% dos alunos dos Ensino Médio também terão que elaborar uma redação. Esses alunos serão sorteados pelos professores, nenhum critério como nota ou presença estará sendo usado neste sorteio.

No Rubens, quem vai fazer a prova?

Os 200 alunos que estão na 3ª Série do ensino médio, todos os outros alunos terão aula normal.

Qual é o horário da prova? O que eu levo? Qual é o tempo da prova?

O horário é o mesmo, 07h15. Não atrase! Leve uma caneta preta de material transparente (sim, eles estão fazendo igual o ENEM), se quiser leve água e chocolate. A prova tem duração de 3h a partir da abertura dos cadernos autorizada pelo aplicador, ou seja, existe toda uma preparação antes, não foi divulgado o tempo mínimo de realização da prova. Se você estiver com o celular, desligue, e desative os alarmes, caso seja necessário tire a bateria.

Vai ter aula depois da prova? E a merenda?

Quanto as aulas depois da prova, isso ainda não foi divulgado pela Direção. Já a merenda será servida para os alunos dos 3º, assim que a prova terminar.

No técnico: Fim de curso

Faltam menos de duas semanas para a apresentação do TCC do 3ºC, saiba como é o processo de apresentação e avaliação nos TCCs do técnico.

Os cursos técnicos do Rubens tem também como forma de conclusão do curso o TCC, mas, diferente do ensino médio, eles não trabalham seguindo um tema geral e sim definindo em grupos de no máximo sete pessoas um projeto, uma manutenção ou um novo equipamento. Durante os dois últimos semestres de curso eles tem as aulas de PTCC e DTCC, onde aprendem a se organizar na parte escrita, no desenvolvimento e na administração do trabalho. Os alunos contam com a ajuda de um professor orientador, mas tem total liberdade para pedir auxílio a outros professores da área, e em alguns casos, até de outros cursos.

Os projetos são os mais variados, e procuram englobar todos os conteúdos que foram aprendidos durante os quatro semestres (Eletrônica, Eletrotécnica, Enfermagem, Mecânica e Mecatrônica) ou três (Alimentos e Nutrição). Agora você vai conhecer um pouco dos trabalhos do 4ºC de Mecatrônica, que apresentou seus trabalhos na última segunda (12/11) e terça (13/11). Os trabalhos foram orientados pelos professores Nelson Rampim e Plínio Christofani.

Mais que um trabalho, uma homenagem: A proposta inicial era apenas a reforma do Robô Didático (ER-III) da escola, que estava parado por causa do manuseio errado. O grupo de seis pessoas, que conta com a participação de três alunos aqui do 3ºC (Marcus, Matheus e Rafael N.) decidiu não só investir na retomada do funcionamento do ER-III, mas sim uma melhoria em todo o laboratório de robótica. O trabalho em sua fase de projeto foi interrompido bruscamente, isso em maio desse ano, com a morte, na época, do professor orientador do trabalho, Deoclécio Damasceno. Logo após a retomada dos trabalhos, tornou-se questão de honra concluí-lo, fazendo assim uma homenagem a Deoclécio, que era um dos professores de Robótica do curso de Mecatrônica. Todo o trabalho foi dedicado a ele, uma homenagem no fim da apresentação na última segunda gerou palmas e emoção aos alunos e colegas de trabalho.

Experiência para continuar: Cinco dos seis integrantes do grupo que teve como intuito a Automatização da Cama Hospitalar do laboratório de enfermagem do Rubens são senhores com mais de trinta anos, isso foi fundamental na parte prática do trabalho, pois a experiência de conhecer como funcionam os equipamentos e ter até o contato direto com eles no local onde trabalham foi essencial para o êxito desse grupo. O sexto integrante, André Amauri, teve o trabalho de transmitir ao papel o trabalho pesado que todo o grupo teve ao encarar o projeto, mas não ficou de fora da parte prática, colocando todo o conteúdo que aprendeu no curso ajudou os outros integrantes a acelerar o processo. Mesmo com algumas dificuldades na hora de apresentar, o grupo foi aprovado.

Processar alimentos não é fácil: Um dos intuitos do TCC não é só ajudar o próprio curso, mas sim auxiliar aos outros cursos, trazendo melhorias que são possíveis com a ajuda da automação, que é palavra chave quando se fala de mecatrônica. Em uma parceria com o curso técnico de Alimentos, uma embutideira, máquina que faz o processo de produção de alimentos como linguiça e salsichas, que até antes dessa intervenção funcionava de forma manual, recebeu melhorias que tornam o processo mais rápido, higiênico e seguro. O trabalho foi aprovado, a parte prática está quase concluída.

Inovar para melhorar a vida do motociclista:A mecatrônica também está presente nos automóveis e motos nos dias atuais. Bruno Umemura e seu grupo tiveram uma ideia para trazer algo simples que existe nos automóveis para as motocicletas. Um sensor que faz com que as setas das motos desliguem ao final de uma conversão. O projeto chamou a atenção de todos por ser ao mesmo tempo simples e intuitivo. O grupo tem a participação também de Noelle Dinelli, líder do La Cucaracha, que mesmo estando em um curso que 90% são homens curte a parte prática e os cálculos que estão envolvidos nessa área. O projeto já está sendo preparado para envio a montadoras, o grupo espera que o estudo feito seja executado e melhorado, para que em poucos anos já esteja incluso nas motos de baixo a alto custo.

Um leitor de cartões portátil e mais barato:A inciativa que conta com a participação de sete pessoas, faz com que o ato do uso dos leitores de cartões magnéticos torne-se mais simples e seguro do que os processos atuais. Usando uma tecnologia recente, que tem o nome de Arduíno, faz com que o processo de reconhecimento e liberação torne-se mais rápido. Renan Santos, um dos integrantes, mostra que não era o objetivo inicial, mas o projeto tem validade pelo seu baixo custo de montagem e implementação. O Arduíno tem a vantagem de ser programável para diversos fins de forma rápida através da conexão do equipamento a um computador.

Três professores de áreas diferentes, um da mecânica e um da elétrica e o terceiro, indicado pelo grupo formam a Banca Avaliadora, que tem a difícil tarefa de avaliar não só a apresentação, mas sim todo o conteúdo do trabalho escrito e também todo o processo de orientação feito do início do projeto até o fim do desenvolvimento, que é de 8 meses. Cada ponto do trabalho é avaliado com critérios rígidos. Apesar de também receber menções de I até MB, antes delas serem atribuídas, está a maior e mais difícil decisão, aprovar ou não o trabalho. A reprova significa reavaliação do processo e nova apresentação em data posterior.

O público que assiste as apresentações é o maior avaliador do trabalho, ver alguém durante sua apresentação olhando pra trás ou mexendo no Celular é indício de que você está errando em algum ponto. O tempo pode ser o maior vilão, as apresentações tem duração de no máximo 20 minutos. Outro ponto chave são os slides, o número ideal é 20, usando os recursos de vídeo, áudio e imagem para expor de forma clara as ideias. O plano B, quando algum desses recursos não funciona tem que estar pronto antes desse imprevisto acontecer, mas as vezes o improviso também conquista pontos, é claro que não deve ser uma regra.

Em um bate papo com pessoas que assistiram as apresentações de Segunda e Terça, as críticas e elogios foram muitos, esse bate papo é essencial, use isso sempre, ajuda você e mostra ao público que você está interessado em saber de quem ainda está aprendendo o que pode ser melhorado. Em uma dessas conversas, Rafael Passos, do 2ºJ de Mecatrônica, apontou vários pontos positivos e já está com muitas ideias para o PTCC dele, que começa em fevereiro de 2013.

Conheça mais postagens da coluna No Técnico:

Software grátis e de qualidade para os alunos de ETECs e FATECs